A História do Oscar!

Fonte: designmantic.com

Olá amores e amoras,

É bem provável que a maioria conheça ou já ouviu falar do Oscar, mas acho que nem todos sabem da história do mesmo, pelo menos eu não sabia (não me julguem), e agora achei bem interessante de dividir com vocês.
O Oscar tem início através da organização da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (Academy of Motion Picture Arts and Sciences - AMPAS), que é uma organização profissional e sem fins lucrativos, criada por 36 personalidades importantes da indústria cinematográfica. Tudo aconteceu em um jantar, em 1927, no hotel Biltmore, em Los Angeles, onde o ator Douglas Fairbanks foi escolhido como presidente desta Academia, e logo depois, em 1929, aconteceu a primeira premiação do Prêmio da Academia (Academy Award).

É bastante interessante saber que as primeiras premiações foram feitas em forma de jantares em grandes hotéis de LA, onde era possível assistir a cerimônia comprando um ingresso antecipadamente, num valor de US$10 cada. A primeira cerimônia da entrega do Prêmio da Academia ao Mérito foi na sala Blossom do Hotel Hollywood Rooselvet, com um banquete para 250 convidados.

Na realidade o prêmio é chamado oficialmente até hoje de "Academy Award of Merit" (Prêmio da Academia ao Mérito), sendo que "Oscar" é na verdade um apelido que até hoje não se sabe como surgiu na realidade. Tem-se algumas possibilidades, entre elas é a de que a bibliotecária Margaret Herrick - hoje secretária executiva da Academia -, em seu primeiro dia de trabalho, olhou para a estatueta e comentou que parecia com seu tio Oscar, e consequentemente um crítico renomado, chamado Sidney Skolsky, ouviu a frase e ao fazer uma matéria publicou o possível apelido em sua coluna. Existem outras possibilidades e versões, mas o que importa é que denominação do apelido aconteceu oficialmente na cerimônia de 1934, onde o próprio crítico, Sidney, se referiu ao prêmio pelo tal apelido ao anunciar a premiação feita a Katherine Hepburn, por sua atuação em "Morning Glory" (Manha de Glória).


Fonte: comercialonline.tv.br

Ah, e por acaso você sabe do que é feito a estatueta? 

Bom, ela é composta de 92,5% de estanho e 7,5% de cobre, e é banhada em platina e ouro de 14 quilates, medindo um total de 34,29 cm e pesando 3,85 kg. O formato da estatueta vem de um cavaleiro segurando uma espada verticalmente na frente de seu corpo, sob um pedestal em forma de um rolo de filme, demonstrando um cavaleiro das cruzadas com sua espada, segundo a própria Academia. Uma observação interessante é que durante a Segunda Guerra Mundial, os prêmios foram feitos de gesso porque na época sofria-se pela escassez de metal, mas todos os vencedores obtiveram permissão para receberem a estatueta original quando a guerra acabasse.
A estatueta do Oscar possue cinco raios que "saem" da mesma, representando as cinco áreas originais da Academia, sendo elas: diretores, atores, escritores, produtores e técnicos. Seu valor total é de US$200, mas sabemos que o que realmente vale é seu valor simbólico, já que concede ao merecedor do prêmio um prestígio enorme profissional e também popular, além de um grande marketing para o filme premiado. 

De acordo com o crescimento da premiação, tornou-se necessário a transmissão pelas mídias, embora os primeiros prêmios já fossem transmitidos ao vivo pelo rádio, mas apenas em 1953 que aconteceu a primeira cerimônia televisionada. Hoje a cerimônia é conhecida mundialmente, muito famosa, prestigiada e esperada, e acontece anualmente, com premiações à 24 categorias, sendo elas:

  • Melhor Filme;
  • Melhor Diretor;
  • Melhor Atriz;
  • Melhor Ator;
  • Melhor Ator Coadjuvante;
  • Melhor Atriz Coadjuvante;
  • Melhor Roteiro Original;
  • Melhor Roteiro Adaptado;
  • Melhor Animação;
  • Melhor Documentário em Curta-Metragem;
  • Melhor Documentário em Longa Metragem;
  • Melhor Longa Estrangeiro;
  • Melhor Curta-Metragem;
  • Melhor Curta em Animação;
  • Melhor Canção Original;
  • Melhor Fotografia;
  • Melhor Figurino;
  • Melhor Maquiagem e Cabelo;
  • Melhor Mixagem de Som;
  • Melhor Edição de Som;
  • Melhor Efeitos Visuais;
  • Melhor Design de Produção;
  • Melhor Edição;
  • Melhor Trilha Sonora.
Agora vocês já sabem mais um pouquinhos do grande Oscar. Beijos Amoras.

Livro do mês: O Ar que Ele Respira - Brittainy C. Cherry



Detalhes do livro:
Autor: Brittainy C. Cherry
Editora: Record
Gênero: Romance, Drama
Ano: 2016
Nº de páginas: 308

Prefácio: Como superar a dor de uma perda irreparável? Elizabeth está tentando seguir em frente. Depois da morte do marido e de ter passado um ano na casa da mãe, ela decide voltar a seu antigo lar e enfrentar as lembranças de seu casamento feliz com Steven. Porém, ao retornar à pequena Meadows Creek, ela se depara com um novo vizinho, Tristan Cole. Grosseiro, solitário, o olhar sempre agressivo e triste, ele parece fugir do passado. Mas Elizabeth logo descobre que, por trás do ser intratável, há um homem devastado pela morte das pessoas que mais amava. Elizabeth tenta se aproximar dele, mas Tristan tenta de todas as formas impedir que ela entre em sua vida. Em seu coração despedaçado parece não haver espaço para um novo começo. Ou talvez sim.

Olá amores e amoras,

Estou super animada pra escrever este post. Comprei este livro no ferido de Carnaval sem querer, pois eu estava no shopping, entrei na livraria apenas pra olhar e encontrei esse livro. Na real pensei que era apenas um simples romance e um drama, mas quando comecei a ler percebi que também é um romance adulto, o que acaba deixando o livro mais interessante.
Quando li o prefácio, me encantei pela história, de duas pessoas com almas arrasadas e tentando seguirem com a vida da forma que achavam possíveis, mas que no meio do caminho se encontram, - e também pela maravilhosa capa.
É um pouco difícil contar a história do livro sem desvendar alguns segredos, mas eu juro que vou tentar, porque assim como vocês eu odeio spoiler, ainda mais de livros. 


Elizabeth perdeu seu marido em um terrível acidente, e decidiu ficar na casa da mãe com sua filha - Emma -, mas as coisas por lá não estão mil maravilhas, já que sua mãe ficou bastante perdida após a morte de seu marido (pai de Elizabeth). A mãe de Lizzie (apelido da personagem) tenta se encontrar curtindo a vida com outros caras, que sempre acaba "usando", fazendo-os se apaixonar e depois diz que não deu certo, e Lizzie já não aguenta mais isso.
Certo dia, Elizabeth decidi voltar para sua casa, e quando chega em seu bairro acaba atropelando o cachorro de um estranho, cujo nome é Tristan Cole, e que é um cara muito grosseiro.

Quando tragédias acontecem e há crianças envolvidas, ninguém consegue raciocinar direito. Agimos da forma que nos parece ser a mais correta. Você só tentou sobreviver e fez o melhor que pôde. Não fique se culpando por isso.

Muitas coisas vão acontecendo, até que Elizabeth acaba conseguindo conversar com Tristan e descobre o que o aflige, o que acabou deixando-o amargo e frio desse jeito, e o que ela fica sabendo é que a mulher e o filho dele morreram em um acidente de carro, então desde aí é como se Tristan tivesse morrido junto. 
Aos poucos os dois vão se aproximando, e uma tentativa - bem louca - de lembrar seus companheiros, acabam se envolvendo em um sex-cionamento (como apelida a melhor amiga de Lizzie), mas o que eles não esperavam é que no meio disso tudo iria surgir um forte sentimento pelos dois.


Desde então, o casal realmente acaba se tornando um casal e um acaba ajudando o outro a superar as perdas, Elizabeth mostra à Tristan como é viver de novo, e Tristan, em retorno, enche Lizzie de amor e companheirismo, junto de Emma, que o ama também. Claro que uma história assim não poderia acabar feliz tão rápido, então ao longo da trama acaba sendo revelado algo que nenhum dos dois sabiam e isso separa o casal e acaba caminhando para uma tragédia. 
Não tem como eu contar mais, pois irei acabar com a vantagem do livro, mas tudo acaba bem e pelo que entendi, possivelmente haverá outro livro - o que achei fantástico. 

 A magia está nos pequenos momentos. Nos pequenos gestos, nos sorrisos gentis e nas risadas silenciosas. A magia é viver todos os dias e se permitir respirar e ser feliz. Meu querido, a magia é amar.

Eu nunca tinha lido um livro da autora Brittainy, mas amei e já encomendei outro, assim que eu ler, resenho para vocês. 
Até a próxima e boa leitura amoras!

Cine Resenha: Até o Último Homem

Fonte: nerdbreak.com.br
Ficha Técnica:
País: Estados Unidos
Ano: 2016
Duração: 139 minutos
Gênero: Drama, Guerra, Biografia
Direção: Mel Gibson
Roteiro: Andrew Knight e Robert Schenkkan
Distribuição: Summit Entertainment, Icon Film Distribution, NOS Audiovisuais e Diamond Films


Olá amores e amoras,
Hoje venho com mais um post fixo aqui no blog, sim, agora teremos todo mês a resenha de um filme, seja um que está em cartaz no cinema, ou não, mas pode ser também um filme que me chamou muito atenção e que eu assisti por aí. 
Foi a partir deste filme, Até o Último Homem que eu senti uma imensa vontade de compartilhar com vocês, toda minha crítica e meu entendimento sobre o filme. Espero de coração que vocês gostem desses novos post e que acabem se interessando e assistindo o filme em questão. Sem mais delongas, vamos à resenha.

Primeiro de tudo eu gostaria de frisar que esse filme é baseado em uma história real de um soldado adventista, Desmond Doss, durante a Segunda Guerra Mundial, interpretado por Andrew Garfield (sim, o nosso querido Homem-Aranha). 
Eu fiquei bastante impactada pelo filme, por conta de sua lealdade à realidade da época, cada detalhe faz com que você entenda um pouquinho da crítica situação do filme, ainda mais sabendo que tudo aconteceu de verdade. O filme trabalha de forma justa quanto as cenas chocantes da guerra e os sons durante todo o filme,  e não foi por menos que acabaram ganhando dois Oscars neste ano, como Melhor Mixagem de Som e Melhor Montagem.

Fonte: papodecinema.com.br

Desmond Doss (Andrew Garfield), é um cristão fervorado, adventista, que tem Deus em primeiro lugar em sua vida, acredita fielmente que nenhum mandamento deve ser quebrado. Depois de um acontecimento em sua juventude, entre seu pai Tom Doss (Hugo Weaving) e sua mãe Bertha Doss (Rachel Griffiths), promete a si mesmo e para Deus que nunca mais pegaria em uma arma.
O pai de Desmond já foi um soldado e perdeu muitos amigos durante a guerra, por isso virou um cara frio e grosseiro, não admitindo que seus filhos sirvam o exército, mas o mesmo acaba acontecendo. Desmond quer serviu a guerra não para matar o inimigo, como se recusa a pegar em armas, mas sim para salvar vidas, como médico (algo que sempre foi seu sonho).

Claro que antes de toda a desgraça começar, Desmond se apaixona pela enfermeira Dorothy (Teresa Palmer) e pretende se casar com ela, até então sua juventude em Virgínia era calma, mesmo com alguns desentendimentos com o pai. 
Quando decide se alistar, o pai fica muito bravo e zomba do filho por achar que vai conseguir continuar com sua crença de não pegar em armas dentro da academia militar e realmente, tudo fica bastante difícil quando Desmond entra para o exército. Caçoado por muitos, desafiado pelo Capitão Glover (San Worthington) e foi julgado através do Coronel Sangston (Robert Morgan), mas tudo acaba bem com a ajuda do pai e Desmond consegue continuar com sua crença e sua missão - como acredita que Deus enviou. 

Fonte: observatoriodocinema.bol.uol.com.br
Finalmente seu batalhão é enviado ao Japão, em Okinawa, para conseguir tomar Hacksaw, um penhasco de 120 metros de altura, que já na primeira vez que os soldados escalam são bombardeados violentamente, em uma chuva de sangue, com mortes absurdas e gritos por todo lado. 
Desmond trabalha na área médica, salvando os feridos da guerra, sendo o mais corajoso naquele penhasco sem nenhuma arma ou outro equipamento para se defender dos japoneses. Mesmo assim, em meio a bombas, tiroteio, nuvens cinzas, Desmond salva um por um, e mesmo quando o batalhão (ou o que restou dele) recua, ele permanece no penhasco salvando os que ficarão. Inacreditavelmente, o soldado Doss salva mais de 75 homens, descendo-os do penhasco através de uma corda e suas mãos que ficam em carne viva. 
Ao final do filme, o verdadeiro Desmond Doss dá alguns relatos da guerra, e relata que foi condecorado a ser o Primeiro Opositor Consciente na história norte-americana, recebendo a Medalhe de Honra do Congresso.

Não sei dizer o tanto que esse filme é maravilhoso e chocante, talvez seja por ser um filme tão perfeitamente gravado ou por sua mensagem cristã, mas o que realmente posso dizer é que vale muito a pena assistir.

Até a próxima resenha, amoras.



Indicados e Vencedores do Oscar 2017!


Olá amores e amoras,

Acredito que muitos acompanharam a cerimônia do Oscar 2017, e sabemos o quão foi inusitado, principalmente pelo erro da entrega do prêmio à categoria de melhor filme, igualzinho a gafe da premiação de Miss Universo.

Aqui não vou opinar sobre o que achei das premiações, se foram válidas e nem nada, apenas vou apresentar os indicados e vencedores, assim quem quiser assistir os filmes depois e auto opinar, fica a escolha. 
Como já sabem (ou não), são 24 categorias, então sem mais delongas.

Melhor Filme:
  • A Chegada
  • Até o Último Homem
  • Estrelas Além do Tempo
  • Lios: Uma Jornada para Casa
  • Moonlight: Sob a Luz do Luar
  • Um Limite Entre Nós
  • A Qualquer Custo
  • La La Land: Cantando Estações
  • Manchester à Beira-Mar
Melhor Diretor
  • Denis Villeneuve - A Chegada
  • Mel Gibson - Até o Último Homem
  • Damien Chazelle - La La Land: Cantando Estações
  • Kenneth Lonergan - Manchester à Beira-Mar
  • Barry Jenkins - Moonlight: Sob a Luz do Luar
Melhor Atriz
  • Isabelle Huppert - Elle
  • Ruth Negga - Loving
  • Natalie Portman - Jackie
  • Emma Stone - La La Land: Cantando Estações
  • Meryl Streep - Florence: Quem é Essa Mulher?
Melhor Ator
  • Casey Affleck - Manchester à Beira-Mar
  • Andrew Garfield - Até o Último Homem
  • Ryan Gosling - La La Land: Cantando Estações
  • Viggo Mortensen - Capitão Fantástico
  • Denzel Washington - Um Limite Entre Nós
Melhor Ator Coadjuvante
  • Mahershala Ali - Moonlight: Sob a Luz do Luar
  • Jeff Bridges - A Qualquer Custo
  • Lucas Hedges - Manchester à Beira-Mar
  • Dev Patel - Lion: Uma Jornada para Casa
  • Michael Shannon - Animais Noturnos
Melhor Atriz Coadjuvante
  • Viola Davis - Um Limite Entre Nós
  • Naomi Haris - Moonlight: Sob a Luz do Luar
  • Nicole Kidman - Lion: Uma Jornada para Casa
  • Octavia Spencer - Estrelas Além do Tempo
  • Michelle Williams- Manchester à Beira-Mar
Melhor Roteiro Original
  • Taylor Sheridan - A Qualquer Custo
  • Damien Chazelle - La La Land: Cantando Estações
  • Yorgos Lanthimos e Efthimis Filippou - The Lobster
  • Kenneth Lonergan - Manchester à Beira-Mar
  • Mike Mills -  20th Century Women
Melhor Roteiro Adaptado
  • Eric Heisserer - A Chegada
  • August Wilson - Um Limite Entre Nós
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi - Estrelas Além do Tempo
  • Luke Davis - Lion: Uma Jornada para Casa
  • Barry Jenkins e Tarell Alvin McCraney - Moonlight: Sob a Luz do Luar
Melhor Animação
  • Kubo e as Cordas Mágicas
  • Moana: Um Mar de Aventuras
  • Minha Vida de Abobrinha
  • A Tartaruga Vermelha
  • Zootopia: Essa Cidade é o Bicho
Melhor Documentário em Curta-Metragem
  • Extremis
  • 4.1 Miles
  • Joe's Violin
  • Watani: My Homeland
  • Os Capacetes Brancos
Melhor Documentário em Longa-Metragem
  • Fogo no Mar
  • Eu Não Sou Seu Negro
  • Life, Animated
  • O.J.: Made in America
  • 13ª Emenda
Melhor Longa Estrangeiro
  • Terra de Minas (Dinamarca)
  • A Man Called Ove (Suécia)
  • O Apartamento (Irã)
  • Tanna (Austrália)
  • Toni Erdmann (Alemanha)
Melhor Curta-Metragem
  • Ennemis Intérieurs
  • La Femme et le TGV
  • Silent Nights
  • Sing
  • Timecode
Melhor Curta em Animação
  • Blind Vaysha
  • Borrewed Time
  • Pear Cider and Cigarettes
  • Pearl
  • Piper
Melhor Canção Original
  • "Audition (The Fools Who Dream)" | Música de Justin Hurwitz, canção de Benj Pasek e Justin Paul - La La Land: Cantando Estações
  • "Can't Stop the Feeling" | Música e canção de Justin Timberlake, Max Martin e Karl Johan Schuster - Trolls
  • "City of Stars" | Música de Justin Hurwitz, canção de Benj Pasek e Justin Paul - La La Land: Cantando Estações
  • "The Empty Chair" | Música e canção de J. Ralph e Sting - Jim: The James Foley Story
  • "How Far I'll Go" | Música e canção de Lin-Manuel Miranda - Moana: Um Mar de Aventuras
Melhor Fotografia
  • Bradford Young - A Chegada
  • Linus Sandgren - La La Land: Cantando Estações
  • Greig Fraser - Lion: Uma Jornada para Casa
  • James Laxton - Moonlight: Sob a Luz do Luar
  • Rodrigo Prieto - Silêncio
Melhor Figurino
  • Joanna Johnston - Aliados
  • Colleen Atwood - Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Consolata Boyle - Florence: Quem é Essa Mulher?
  • Madeline Fontaine - Jackie
  • Mary Zophres - La La Land: Cantando Estações
Melhor Maquiagem e Cabelo
  • Eva Von Bahr e Love Larson - A Man Called Ove
  • Joel Harlow e Richard Alonzo - Star Trek: Sem Fronteiras
  • Alessandro Bertolazzi, Giorgio Gregorini e Christopher Nelson - Esquadrão Suicida
Melhor Mixagem de Som
  • Bernard Gariépy Strobl e Claude La Haye - A Chegada
  • Kevin O'Connell, Andy Wright, Robert Mckenzie e Peter Grace - Até o Último Homem
  • Andy Nelson, Ai-Ling Lee e Steve A.Morrow - La La Land: Cantando Estações
  • David Parker, Christopher Scarabosio e Stuart Wilson - Rogue One: Uma História Star Wars
  • Greg P. Russell, Gary Summers, Jeffrey J. Haboush e Mac Ruth - 13 Horas: Os Soltados Secretos de Benghazi
Melhor Edição de Som
  • Sylvain Bellemare - A Chegada
  • Wylie Stateman e Renée Tondelli - Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Robert Mackenzie e Andy Wright - Até o Último Homem
  • Ai-Ling Lee e Mildred Iatrou Morgan - La La Land: Cantando Estações
  • Alan Robert Murray e Bub Asman - Sully: O Herói do Rio Hudson
Melhores Efeitos Visuais
  • Craig Hammack, Jason Snell, Jason Billington e BurT Dalton - Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Stephane Ceratti, Richard Bluff, Vincent Cirelli e Paul Corbould- Doutor Estranho
  • Robert Legato, Adam Valdez, Andrew R. Jones e Dan Lemmon - Mogli: O Menino Lobo
  • Steve Emerson, Oliver Jones, Brian McLean e Brad Schiff - Kubo e as Cordas Mágicas
  • John Knoll, Mohen Leo, Hal Hickel e Neil Corbould - Rogue One: Uma História Star Wars
Melhor Design de Produção
  • Patrice Vermett e Paul Hotte - A Chegada
  • Stuart Craig e Anna Pinnock - Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Jess Gonchor e Nancy Haigh - Ave, César!
  • David Wasco e Sandy Reynolds-Wasco - La La Land: Cantando Estações
  • Guy Hendrix Dyas e Gene Serdena - Passageiros
Melhor Montagem
  • Joe Walker - A Chegada
  • John Gilbert - Até o Último Homem
  • Jake Roberts - A Qualquer Custo
  • Tom Cross- La La Land: Cantando Estações
  • Nat Sanders e Joi McMillon - Moonlight: Sob a Luz do Luar
Melhor Trilha Sonora
  • Mica Levi - Jackie
  • Justin Hurwitz - La La Land: Cantando Estações
  • Dustin O'Halloran e Hauschka - Lion: Uma Jornada para Casa
  • Nicholas Britell - Moonlight: Sob a Luz do Luar
  • Thomas Newman - Passageiros

Agora uma mega novidade, a Netflix anunciou que irá disponibilizar quatro filmes indicados ao Oscar deste ano. Serão eles: Moonlight: Sob a Luz do Luar, Até o Último Homem, Lion: Uma Jornada para Casa e Jackie. Aguardem, ainda nesse semestre.

Até a próxima amoras, e aguardem post História do Oscar.
Beijos

Filmes do mês: Março

Olá amoras,

Não tem como negar que o mês de fevereiro foi espetacular quando o assunto é filme, foi um filme melhor que o outro e muitos indicados ao Oscar 2017 - pena que eu não consegui assistir todos.
Mas, o mês de março também promete. Alguns filmes são muito esperados, como Logan, Bela e a Fera e Fragmentado. 
Então, vamos ao tópico 10 de lançamentos.


1. Logan | Gênero: Ação, Ficção Científica, Aventura


Estréia: 02 de Março


2. Kong: A Ilha da Caveira | Gênero: Aventura, Fantasia, Ação


Estréia: 09 de Março


3. Personal Shopper | Gênero: Fantasia, Suspense


Estreia: 09 de Março


4. A Bela e a Fera | Gênero: Fantasia, Romance


Estréia: 16 de Março


5. Tinha que Ser Ele | Gênero: Comédia


Estréia: 16 de Março


6. Fragmentado | Gênero: Suspense, Fantasia, Terror


Estréia: 23 de Março


7. Power Rangers | Gênero: Ação, Aventura, Ficção Científica


Estréia: 23 de Março



8. O Poderoso Chefinho | Gênero: Animação, Comédia


Estréia: 30 de Março


9. O Espaço Entre Nós | Gênero: Romance, Ficção Científica, Drama


Estréia: 30 de Março


10. A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell | Gênero: Ação, Ficção Científica, Suspense


Estréia: 30 de Março



A única coisa que estou pensando no momento é: onde vou arranjar dinheiro e tempo para tantos filmes bons ? Ajuda aqui Senhor, porque está complicado!
Bons filmes amoras!


Como conseguir acabar com a insônia.


Olá amores e amoras,

Em pleno século 21 muitas pessoas sofrem de insônia. Em um planeta onde o mal do século é a ansiedade, muitos jovens acabam sofrendo com a insônia, que acaba interferindo em muitas coisas em nossa vida, e eu digo tudo porque já enfrentei a insônia algumas vezes e realmente é terrível.
Na verdade eu tenho um sono bastante regulado e pesado, sou daquelas que gosta (e precisa) de 8h de sono e que antes de dormir conta se vai dar as horas certinho. Porém a insônia me visita quando tenho crise de ansiedade, dependendo do caso eu acabo ficando a noite inteira sem dormir, e as vezes até noites! Sei bem como isso acaba com um ser humano, após uma noite mal dormida ou não dormida parece que o dia fica 100% ruim.

A insônia não é um problema quando ela ocorre poucas e raras vezes, muito menos se ocorre por um problema exato (como luto, problema financeiro e afins), porém quando ela é persistente é até necessário a intervenção de um médico psiquiatra ou terapia.

No meu caso se eu estiver passando por uma crise de ansiedade é certeza que pelo menos um dia terei insônia, não chega a ser caso de médico, mas eu sigo alguns passos conforme os dias sem dormir prolongam e vou passar pra vocês.




  • Independente do que esteja acontecendo, você deve interferir qualquer pensamento negativo e todos aqueles pensamentos que estão fazendo você não pegar no sono. Nesse momento é interessante pensar em coisas boas, lembranças boas e imaginar lugares calmos, como o mar. (Sei que é difícil, mas pelo menos tente).
  • Mantenha uma rotina de sono. Ou seja, você deve ir dormir e acordar no mesmo horário até que seu corpo acostume, pois vai chegar um momento em que você vai sentir sono.
  • Ao anoitecer tente se desligar do mundo virtual. A tela do computador, tablets, celular, acaba despertando e fazendo com que você perca ou não tenha sono, então quando anoitecer tente deixar de lado essas coisas e faça algo que te dê sono, como ler um livro.
  • Tome leite puro morno, chá de camomila ou suco de maracujá antes ou alguns minutos antes de dormir. Os mesmos fazem com que tenhamos sono.
  • Se você estiver ansioso pratique o ACALME-SE (que já expliquei aqui) e procure se manter assim.
  • Não force o sono, não vá dormir (ou tentar) sem estar com sono.
  • Tenha a rotina de ler antes de dormir.
  • Por último, se nada disso que você vem fazendo está adiantando é legal tentar tomar algum calmante floral. Calma, não é nada com os médicos e muito menos viciante, esse remédio floral é natural e ajuda sim. 
Eu já pratiquei todas essas dicas e já cheguei a tomar remédio floral, comprei o Seakalm em comprimido e resolveu bastante, consegui regular meu sono direitinho. Talvez pra você seja fraco, mas existem outras dosagens e outros florais, lembrando que em comprimido é mais eficaz.

Eu espero que vocês consigam acabar com a insônia seguindo essas dicas e que o sono de vocês sejam iguais de nenês. Bons sonhos!
Até a próxima amoras.